Fique seguro, com saúde e bem estar. Estamos o tempo todo pensando em você. Assim, para garantir seu melhor atendimento, disponibilizamos os seguintes canais digitais:

Saiba mais sobre os seguintes serviços:

- Prorrogação nas operações de crédito

- Renovação de Custeios

- Capital de Giro Produtor Rural

- Capital de Giro – Micro e Pequenas Empresas (MPEs)

- Capital de Giro – Microempreendedor individual (MEI)

- Capital de Giro – Médias e Grandes Empresas

- Microcrédito – Amazônia Florescer

Os canais Fale Conosco e Ouvidoria continuam à disposição para outros atendimentos.

Acesse os nossos aplicativos

NOTÍCIAS
04/06/2020 - EMPREENDEDORES DO MARANHÃO E DO MATO GROSSO TÊM CONDIÇÕES ESPECIAIS DO BASA PARA SUPERAR A CRISE

O Banco da Amazônia (Basa) criou condições especiais para os empreendedores dos estados do Maranhão e do Mato Grosso que precisam de apoio para superar a crise gerada pela pandemia da COVID 19. Uma dessas medidas foi a flexibilização das regras para a suspensão do pagamento de parcelas de financiamento de operações de crédito de pessoas físicas e jurídicas, por um prazo de seis meses, para quem optar pela prorrogação.

A medida se destina a empréstimos e financiamentos contratados até fevereiro de 2020, deslocando as parcelas com vencimentos nos próximos meses por até 6 meses, permitindo ajustes nos fluxos de caixa, contribuindo para a redução dos efeitos temporários do coronavírus.

Alinhada à Resolução nº 4.782, do Conselho Monetário Nacional (CMN), e às políticas públicas do Governo Federal, a medida beneficiará um total de 150 mil clientes da Instituição. Os interessados devem fazer a adesão até 30 de setembro, o que pode ser feito por meio do site www.bancoamazonia.com.br

03/06/2020 - MAIS DE 80% DO FNO EMERGENCIAL SÃO DESTINADOS AOS PEQUENOS NEGÓCIOS

Desde em que foi criado na segunda quinzena de abril até o último dia 29 de maio, o FNO Emergencial já financiou R$ 84,6 milhões na região Norte, recursos destinados principalmente às empresas de pequeno porte, que representam 82,3% das operações. Ou seja, do volume total investido, R$ 68,2 milhões foram para negócios com faturamento de até R$ 4,8 milhões, incluindo, ainda, pessoas físicas que desempenham atividades produtivas de maneira informal, enquadradas no Programa Nacional do Microcrédito Produtivo Orientado (PNMPO), cooperativas e microempreendedores individuais (MEI).

Criado pelo Banco da Amazônia (Basa) para dar sustentação aos negócios regionais nessa época de pandemia e crise, o FNO Emergencial já efetivou, nesse período de 45 dias, 1.085 operações. Dessas, 806 foram para o fomento de atividades do comércio (74,29%), com R$ 64,5 milhões investidos no setor. Em seguida, com 187 operações (17,24%) e um volume aportado de R$ 12,8 milhões está o ramo de serviços, depois a indústria, com 91 financiamentos (8,39%) e aporte de R$ 7,2 milhões, e o setor de agricultura, com uma operação (0,09%) no valor de R$ 100 mil.

A maior parte dos recursos serviu ao financiamento de capital de giro, demonstrando, com isso, que os empreendedores tomaram o crédito para resolver problemas emergenciais à manutenção do próprio negócio. Do total investido, R$ 81,1 milhões (96,87%) foram utilizados para o pagamento de salários, encargos trabalhistas, aluguéis, fornecedores, empréstimos e outras despesas comuns à rotina mensal empresarial. O restante, R$ 3,5 milhões (3,13%), serviu para financiar operações de investimentos.

Empreendedores do Pará, Rondônia e Tocantins foram os que mais contrataram o FNO Emergencial. Nesses três estados foram feitas 300, 245 e 196 operações, mobilizando um total de R$ 23,5 milhões, 18,7 milhões e R$ 14,5 milhões, respectivamente. No Amazonas, houve 149 financiamentos, no total de R$ 12,3 milhões. No Acre foram 137 operações, com um volume total de R$ 11,2 milhões. E em Roraima e no Amapá foram feitas 34 e 24 operações, com volumes totais de R$ 2,4 milhões e 1,8 milhão.

Uma das que fizeram uso do FNO Emergencial foi a empresária do ramo de confecções Ana Caroline Oliveira, proprietária da Charmosa, loja instalada em Marabá, município considerado o centro econômico e administrativo da região sudeste do estado do Pará. “Tivemos que nos readaptar nesse tempo de pandemia. Estávamos ampliando a loja com recursos próprios e, como esses diminuíram, a saída foi contratar o financiamento. Se não fosse esse capital do Basa, teríamos que parar totalmente. Isto nos deu um fôlego muito grande, principalmente pela questão da carência”, relata Ana Caroline.

LIMITE DE CRÉDITO, PRAZOS E CARÊNCIA

O Banco da Amazônia apartou R$ 2 bilhões para financiamentos por meio do FNO Emergencial. Para quem precisa investir, o limite de crédito é de até R$200 mil. Já para capital de giro, o financiamento é de até R$100 mil. Para o MEI, o valor para financiamento é de até R$ 20 mil e, para capital de giro, de até R$ 5 mil. As microempresas podem financiar até R$ 40 mil. O prazo de financiamento para investimento é de até 12 anos, incluída a carência que se estende até 31 de dezembro de 2020, ou seja, o tomador só começa a pagar a partir de janeiro de 2021. Para capital de giro, o prazo é de até 24 meses, também com carência até o último dia deste ano e início de pagamento para janeiro do ano vindouro. Os encargos financeiros ofertados pelo Basa são muito competitivos, sendo a taxa efetiva de juros de 2,5% ao ano. Quanto às garantias, essas serão pedidas conforme a avaliação do crédito a ser concedido. Para acessar os recursos, acessar o site www.bancoamazonia.com.br.

01/06/2020 - COM DOAÇÃO DE MÁSCARAS A BOIEIRAS DO VER-O-PESO, BANCO DA AMAZÔNIA ENTREGA MAIS DE DEZ MIL UNIDADES DO PRODUTO SOMENTE NA RMB

No combate à pandemia da Covid 19, o Banco da Amazônia (Basa) tem realizado ações solidárias de proteção à vida da comunidade, cumprindo com seu papel de responsabilidade social que vai além do crédito. Na quinta-feira (28), o superintendente regional do Pará e Amapá, Edmar Bernaldino, entregou 400 máscaras às boieiras do Ver-o-Peso, como são conhecidas as cozinheiras desse famoso cartão postal da capital paraense. Com essas, somente na região metropolitana de Belém (RMB), já foram entregues pela Instituição mais de dez mil unidades desses materiais.

Na última semana, o Basa já havia doado 1.500 máscaras para o Instituto Ver-o-Peso, distribuídas entre os feirantes do mercado e da pedra do peixe, Feira do Açaí e para os que atuam com hortifrutigranjeiros, ervas medicinais, camarão, mercearia e frutas, setores que seguem em atividade por serem considerados essenciais. O banco também doou 2.500 máscaras à Diretoria da Festa de Nazaré, entidade responsável pela organização do Círio.

“Com muita alegria recebemos essa generosa doação do Banco da Amazônia. Agora, com a obrigatoriedade do uso de máscaras, é uma ação muito oportuna para as pessoas que não têm acesso ou recursos para comprá-las, receberem e se protegerem desse cenário pandêmico”, disse Albano Martins, Diretor-Coordenador da Diretoria da Festa de Nazaré para o biênio 2020/2021.

A diretoria da Festa de Nazaré entregou os produtos a diversas instituições de assistência social, vinculadas à Paróquia de Nazaré e entidades independentes, como a Casa do Menino Jesus, Preventório Santa Terezinha, creche Betinho, Associação dos Renais Crônicos e Transplantados (ARCT-PA) e os colaboradores das Obras Sociais da Paróquia de Nazaré (OSPAN), que trabalham na própria Basílica de Nazaré e nas creches atendidas por essa organização.

O Basa também doou cinco mil máscaras à Associação da Ordem dos Ministros Evangélicos do Brasil – Conselho Estadual do Pará (AOMEB). O material foi distribuído nos bairros do Guamá, Terra Firme, Icoaraci, Parque Verde, Pedreira, dentre outros, em Belém, e no bairro Decouville, no município de Marituba. O Basa tem realizado doações de máscaras em todas as suas unidades localizadas na Amazônia Legal.

14/04/2020 - BASA PRORROGA PAGAMENTO DE PARCELAS DO FNO POR 12 MESES

Para preservar os negócios dos empreendedores da Amazônia nesse período de crise econômica provocada pela pandemia do coronavírus, o Banco da Amazônia está prorrogando de forma automática as parcelas de financiamento por até 12 meses das dívidas do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) para as micro, pequenas e médias empresas.

De acordo com o presidente Valdecir Tose, as empresas de grande porte devem se manifestar pelo interesse na prorrogação das parcelas. A medida prorroga o pagamento das parcelas vencidas e a vencer no ano de 2020 para janeiro de 2021. “Assim, ao final, poderá ser acrescentado mais 1 ano no tempo do contrato”, explicou.

“Esperamos, com isso, dar tranquilidade às empresas para passar por este processo difícil e segurar o fluxo de caixa que é tão importante neste período de pandemia”, comentou.

O presidente informa que o BASA já havia feito uma prorrogação de 6 meses, mas com a Resolução 4798 do Banco Central, publicada na semana passada, está sendo permitida a prorrogação por 01 ano das dívidas não rurais de operações realizadas com o FNO.

Para as operações contempladas pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), produtores rurais e de outras dívidas que não o FNO, o Banco concede a oportunidade de prorrogação do pagamento das parcelas por seis meses. Os produtores e empresas interessadas e que estão adimplentes até março/2020 devem fazer a adesão na plataforma existente no site institucional do BASA. No entanto, se ele estiver inadimplente, deve procurar as agências da Instituição para negociar.

FNO Emergencial

No momento de desafios que a economia do país está passando em função da crise provocada pelo COVID-19, empresários e empreendedores buscam forma de manter seus negócios para garantia de renda e sobrevivência. Para atender este público na Região Norte, o Banco da Amazônia (BASA) lança linha de crédito especial do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) com juros de 0,21% ao mês e condições diferenciadas. Trata-se do FNO Emergencial que ainda vai permitir a renegociação de operações de crédito já realizadas com recursos do Fundo. A nova linha entrou em vigor nesta segunda-feira, 6, a partir da publicação da Resolução nº 4798 do Banco Central.

De acordo com esta Resolução, a nova linha de crédito tem o objetivo de promover a recuperação ou a preservação das atividades produtivas afetadas pelo estado de calamidade, tendo como beneficiários pessoas físicas ou jurídicas para capital de giro e investimentos.

Como o empreendedor, para ter acesso ao FNO Emergencial, precisa que seu município tenha o reconhecimento de emergência e calamidade por parte da União, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) editou a Portaria 743, de 26 de março de 2020, que estabelece rito específico para este procedimento em relação à contaminação pelo novo coronavírus.

De acordo com o MDR, o reconhecimento federal se dará por meio de Portaria, mediante requerimento do Chefe do Poder Executivo do Município, Estado ou Distrito Federal. O pedido deverá estar acompanhado dos seguintes documentos:

a) Decreto de situação de emergência ou estado de calamidade pública do ente federado solicitante;

b) Parecer do órgão de proteção e defesa civil do ente solicitante; e

c) Relatório do órgão de saúde do ente solicitante, indicando que existe contaminação local.

Segundo informações do MDR, a União já reconheceu o estado de calamidade do estado de Tocantins, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, e dos municípios de Bonfim, Alto Alegre, Boa Vista e Cantá (RR), Jaru (RO), Parintins (AM), Rio Branco (AC), em razão da pandemia da Covid-19, o que possibilita o acesso de empreendedores de todos os municípios desses estados à nova linha de crédito. Mas ainda aguarda que os outros estados se manifestem.

Assim, os interessados devem entrar em contato com a agência mais próxima do Banco da Amazônia. 

07/04/20 - BASA LANÇA LINHA DO FNO EMERGENCIAL PARA ATENDER EMPREENDEDORES AFETADOS PELA PANDEMIA DO CORONAVÍRUS

No momento de desafios que a economia do país está passando em função da crise provocada pelo novo coronavírus, empresários e empreendedores buscam forma de manter seus negócios para garantia de renda e sobrevivência. Para atender este público na Região Norte, o Banco da Amazônia (BASA) lança linha de crédito especial do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) com juros de 0,21% ao mês e condições diferenciadas.

Trata-se do FNO Emergencial que ainda vai permitir a renegociação de operações de crédito já realizadas com recursos do Fundo. A nova linha entra em vigor nesta segunda-feira, 6, a partir da publicação da Resolução do Banco Central 4798.

De acordo com esta Resolução, a linha vai promover a recuperação ou a preservação das atividades produtivas dos beneficiários da Região Norte, cujos estados encontram-se em situação de calamidade, decorrente da emergência de saúde pública de importância internacional relacionada ao coronavírus (COVID-19).

O presidente do BASA, Valdecir Tose, explica que a taxa praticada pelo FNO Emergencial está abaixo da inflação, que está em torno de 3% ao ano. “No mercado atual, somente os bancos públicos oferecem uma taxa como essa. O interessado terá como vantagem ainda a carência máxima até 31 de dezembro de 2020, ou seja, vai começar a pagar somente em 2021 e vai poder pegar um financiamento com uma taxa de 0,21% ao mês”, comentou.

O FNO Emergencial vai beneficiar pessoas físicas e jurídicas, incluindo cooperativas que, de acordo com as prioridades estabelecidas nos planos regionais de desenvolvimento, promovam atividades produtivas não rurais, especialmente aquelas vinculadas aos setores de empreendimentos comerciais e de serviços da Região Norte. Tem como finalidades capital de giro isolado e investimentos, inclusive capital de giro associado.

Para quem deseja capital de giro isolado, o limite é de até R$ 100 mil por beneficiário. Para quem quer investimento, inclusive capital de giro associado ao investimento, o limite é de até R$ 200 mil por beneficiário.

As garantias são de livre convenção entre o financiado e o financiador. O prazo de contratação é enquanto perdurar o estado de calamidade pública reconhecido por ato do Poder Executivo. Os interessados devem procurar as agências do BASA e falar com o gerente da unidade.

01/04/20 - A PARTIR DESTA QUARTA, EMPREENDEDORES PODERÃO PEDIR SUSPENSÃO DE PARCELAS DE FINANCIAMENTOS E EMPRÉSTIMOS POR 6 MESES

A medida foi feita pelo BASA e atende contratos adimplentes até fevereiro de 2020

A partir da próxima quarta-feira, 1º de abril, empreendedores de todos os portes e segmentos que contraíram financiamentos e empréstimos no Banco da Amazônia (BASA) poderão solicitar a suspensão do pagamento das suas parcelas por seis meses. A medida foi criada para minimizar os impactos do avanço do novo coronavírus na região amazônica e vai atender 150 mil clientes pessoas físicas e jurídicas da instituição.

Para o empresário Francisco Gomes Neto, proprietário do Restaurante Govinda, essa prorrogação será a "tábua de salvação" de muitos empreendedores, especialmente das micro e pequenas empresas. “Outras instituições estão oferecendo dois ou três meses, mas o BASA está prorrogando por seis meses. Será um super fôlego para os negócios”, comentou.

Francisco Neto possui financiamento em andamento no Banco. Ele lamenta que os atendimentos em seu restaurante caíram aproximadamente 70%. “Antes da quarentena atendíamos em torno de 200 pessoas, agora por volta de 70 pessoas”, revelou. Tudo está sendo por meio de delivery. “Criamos opções de pratos com preços mais acessíveis, disponibilizando mais opções de produtos para minimizar os sérios impactos nos resultados financeiros da empresa”.

De acordo com o presidente do BASA, Valdecir Tose, a suspensão das parcelas visa beneficiar os empreendedores e produtores rurais de toda a Amazônia e a economia da região, sobretudo, aos micro e pequenos negócios e dos informais que serão os mais afetados com a pandemia do coronavírus.

Valdecir Tose informa que o Banco enviou uma minuta para o Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR) solicitando uma suspensão de 12 meses para os casos dos financiamentos do FNO (Fundo Constitucional de Financiamento do Norte). “Consideramos que será longa a recuperação, simulando que ainda teremos no mínimo mais 45 dias para normalização”, ponderou o presidente.

Como suspender as parcelas

O diretor de Crédito do Banco, Roberto Batista, explica que a prorrogação das parcelas de empréstimos e financiamentos é para operações de crédito comercial e de fomento, contratadas até fevereiro de 2020.

Os interessados na prorrogação das parcelas por seis meses devem fazer a adesão através de plataforma, que ficará disponível no site institucional do Banco.


Canais de Atendimento

Além dos canais mencionados, o BASA dispõe do site institucional (www.bancoamazonia.com.br), do Whatsapp (91-4008-3785), do Fale Conosco (4008-3888) de Segunda a Sexta (excetos feriados) das 8h às 18h, neste caso exclusivamente para contratos com Pessoas Físicas, do Serviço de Atendimento ao Consumidor (0800 727 72 28 - Reclamações, Sugestões e Elogios, 24 horas por dia), os canais digitais Mobile Banking (aplicativo) e o Internet Banking. No caso do app, é necessário atualização da versão através da loja de aplicativos.

As agências estão com horário de abertura local antecipado em 01 hora (de 9h às 10h) para atendimento aos clientes enquadrados como grupo de risco da Covid-19. De 10h às 14h, serão atendidos os demais públicos, mas o BASA estimula o uso dos canais digitais.

20/03/2020 - BANCO DA AMAZÔNIA SUSPENDE PARCELAS DE FINANCIAMENTO POR 6 MESES

A partir do dia 1º de abril, o Banco da Amazônia (BASA) permitirá a suspensão do pagamento das parcelas de financiamento de operações de crédito de pessoas físicas e jurídicas. A medida beneficiará um total de 150 mil clientes da Instituição.

De acordo com o diretor de Crédito do Banco, Roberto Batista, a decisão flexibiliza regras de empréstimos e financiamentos adimplementes, contratados até fevereiro de 2020.

“A medida alcança clientes pessoas físicas e empresas do Banco, permitindo ajustes de seus fluxos de caixa, o que contribuirá para a redução dos efeitos temporários decorrentes do COVID-19”, afirmou o diretor.

Os interessados na prorrogação das parcelas por seis meses devem fazer a adesão através de plataforma que estará disponível no site institucional do dia 1º de abril. Cerca de 50 mil clientes da instituição financeira poderão fazer as prorrogações. “Em função do momento desafiador que estamos atravessando, onde a economia está em turbulência pelo avanço do novo coronavírus, o Banco aprovou um conjunto de ações que apresentam condições especiais para prorrogação de dívidas”, comentou Roberto Batista.

O Banco da Amazônia está agindo em alinhamento à Resolução nº 4.782 do Conselho Monetário Nacional (CMN), de 16 de março, e às políticas públicas do Governo Federal, e, como principal banco de fomento da Região, está sensível ao momento de preocupação dos brasileiros com o COVID19. As medidas ora divulgadas contribuem para minimizar os possíveis efeitos econômicos, ajudando as empresas a manterem a geração de renda e na manutenção dos postos de trabalho.

17/03/2020 - BANCO DA AMAZÔNIA LANÇA SÉRIE DE MEDIDAS CONTRA A DISSEMINAÇÃO DO COVID-19

Para garantir a segurança, saúde e bem-estar de seus colaboradores e clientes, a Diretoria Executiva do Banco da Amazônia publicou uma Circular 2020/010, orientando seus empregados a praticar medidas protetivas contra a disseminação do vírus COVID-19 e retardar a progressão da epidemia.

De acordo com o secretário executivo, Alcir Erse, as medidas serão obedecidas rigorosamente para garantir a segurança de todos os que frequentam as unidades do Banco. “Estamos considerando várias determinações oficiais, principalmente, a da Organização Mundial da Saúde que classificou a Doença pelo Coronavírus 2019 (COVID-19) como uma pandemia”, diz.

PREVENÇÃO - Uma das medidas é o trabalho em home office para os empregados que fizeram viagens internacionais, para evitar a propagação no local de trabalho. Para os que continuam em suas atividades normais, o Banco disponibilizou em todos os andares, dispositivos com álcool em gel, assim como nas agências de todas as cidades da Amazônia Legal e ainda disponibilizará frascos individuais para cada empregado.

Sobre o uso de máscaras faciais, deverão ser usados apenas por alguns profissionais, como o da saúde, cuidadores de idosos, mães que estão amamentando e pessoas que estejam apresentando sintomas como febre, tosse e dificuldade para respirar. Assim, o Banco neste momento somente disponibilizará a aqueles que se enquadram nas situações descritas.

Na sede do Banco, todos os sistemas biométricos estão suspensos desde o último dia 16, pelo período inicial de 60 dias, considerando que o coletor biométrico pode ser potencial transmissão do vírus.

As portas dos andares e das salas deverão ficar abertas para evitar o contágio das maçanetas que são potenciais transmissores. Também foram suspensos os treinamentos externos e internos com mais de 20 pessoas. “O momento agora é de prevenção. Esta é a mensagem que estamos passando para nossos empregados, a fim de conscientizá-los e consequentemente evitar a disseminação do vírus”, finaliza Alcir.

17/03/2020 - NOVO CORONA VÍRUS: BANCO DA AMAZÔNIA SUSPENDE PARCELAS DE FINANCIAMENTO POR ATÉ 6 MESES

Para minimizar os impactos econômicos negativos causados pelo novo coronavírus, o Banco da Amazônia anuncia nesta terça-feira, 18, a suspensão do pagamento das parcelas de financiamento de operações de crédito de fomento de pessoas físicas e jurídicas, que desejem o benefício, por até seis meses. A medida beneficiará 150 mil clientes da Instituição e entrará em vigor na próxima semana.

De acordo com o diretor de Crédito do Banco, Roberto Batista, a decisão flexibiliza regras de empréstimos e financiamentos adimplentes, contratados até fevereiro de 2020 e desloca as parcelas com vencimentos nos próximos meses por até 6 meses.

“A medida vale a partir deste mês e beneficia clientes pessoas físicas e empresas, permitindo ajustes de seus fluxos de caixa, o que contribuirá para a redução dos efeitos temporários decorrentes do COVID-19”, afirmou o diretor.

Capital de Giro
Além da prorrogação do pagamento, o Banco da Amazônia está flexibilizando as condições de acesso às linhas de capital de giro com taxas diferenciadas a partir de 4,88% ao ano.

O Banco da Amazônia está agindo em alinhamento à Resolução nº 4.782 do Conselho Monetário Nacional (CMN), de 16 de março, e às políticas públicas do Governo Federal, e, como principal banco de fomento da Região, está sensível ao momento de preocupação dos brasileiros com o COVID19. As medidas ora divulgadas contribuem para minimizar os possíveis efeitos econômicos, ajudando as empresas a manterem a geração de renda e na manutenção dos postos de trabalho.

CONTATO

  •    Av. Presidente Vargas 800

  •    Telefone (Geral): 4008-3888
       

  • Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC)

       - Telefone: 0800-727 72 28   
       - Telefone: 0800-721 18 88


    Ouvidoria:   
    - Telefone: 0800 722 21 71

    Help Desk do Amazônia Online   
    - Telefone: 0800 280 3595