11/07/2018 - BANCO DA AMAZÔNIA LANÇA "PROGRAMA DE INTEGRIDADE"

O Banco da Amazônia lançou no dia 27 de junho documento que oficializa as diretrizes do “Programa de Integridade” na Instituição, o qual estabelece o seu compromisso com princípios éticos para coibir e prevenir a corrupção e outras falhas de conduta, que possivelmente venham a ser praticadas pelos seus colaboradores.

Esse documento normatiza as práticas da empresa no sentido de fortalecer sua gestão ética com transparência. Além da publicação, o Banco também divulga anualmente aos seus stakeholders (público de interesse) seus Relatórios de Gestão e de Sustentabilidade, os quais já tiveram suas edições mais recentes lançadas no mês de junho, no site institucional.

O Relatório de Gestão é como peça integrante do Processo de Prestação de Contas à sociedade dos atos e ações da Instituição. Demonstra a atuação nos programas do Governo Federal para atender às perspectivas traçadas pelo Plano Plurianual e pela Lei de Responsabilidade Fiscal, ao mesmo tempo em que evidencia a qualidade na gestão e nos gastos dos recursos públicos.

O Relatório de Sustentabilidade publicado todos os anos pela instituição apresenta conteúdos padrão das Diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) para Relato de Sustentabilidade e oferece aos públicos de relacionamento (clientes, colaboradores, fornecedores, governo, instituições de pesquisa, investidores, sociedade e comunidade) uma visão sobre suas principais atividades, como uma demonstração do compromisso com a transparência da gestão e incorporação da sustentabilidade à estratégia de negócio para a criação de valor.

De acordo com o diretor de Controle e Risco do Banco, Luís Petrônio Aguiar, os colaboradores trabalham dentro dos objetivos do Programa de Integridade desde o início do ano passado e todos já passaram por diversos treinamentos internos voltados ao combate à corrupção. Petrônio também informa que dentre os sete objetivos estratégicos até 2021 do Banco, três estão diretamente ligados ao Programa de Integridade que são: garantir resultados sólidos e crescentes, fortalecer a governança corporativa e ter foco na eficiência operacional. “Temos ainda como primeiro valor a integridade – ética e transparência, assim, devemos buscar alcançá-la prioritariamente em nossas ações e na concessão do crédito para que possamos atingir a nossa missão que é desenvolver a Amazônia de forma sustentável”, comentou.

Ainda como parte das ações dentro do referido programa, o Banco divulga no seu site institucional  as demonstrações financeiras, os extratos de contratos e aditivos, nome de fornecedores, a execução contratual dos serviços de propaganda e publicidade, compras efetivadas e resultados de licitações em diversas modalidades. A instituição divulga também as agendas de compromissos públicos diários dos membros da Diretoria Executiva, ação sujeita à fiscalização pela Comissão de Ética Pública.

O documento publicado no dia 27 foi elaborado com base na Lei Anticorrupção (Lei 12.846/2013) e traz normas que podem ajudar a construir ou aperfeiçoar instrumentos destinados à prevenção. Apresenta exemplos práticos de conduta de combate à corrupção, como suborno de agentes públicos nacionais ou estrangeiros, fraude em processos licitatórios, embaraço às atividades de investigação ou fiscalização de órgãos, entidades ou agentes públicos.

A Diretoria de Controle e Risco (DICOR) é responsável pela gestão do Programa, que tem também o acompanhamento do Comitê de Auditoria (COAUD) do Banco da Amazônia.